04 julho 2006

"Quando andava na 3ª classe", de Natália Bravo

Quando andava na 3.ª classe, vestiram-me de aia, porque era muito magrinha para poder fazer de rainha, e depois de muitos ensaios lá representei o papel de ir atrás da Idalina, a miúda maior da classe, essa sim vestida de rainha e com rosas enroladas nos saiotes, rosas que, em vez de pão, deveria deixar cair no momento exacto.
Que falhou.
E então as rosas cairam antes do rei (que era a prima da Idalina mascarada, porque a escola não era obviamente mista...), antes do rei dizer senhora-que-levais-no-regaço?
A Idalina em vez de dizer o clássico são-rosas-senhor, desmanchou-se a chorar e a prima dela, que era o rei, com os nervos, desatou a rir. Eu, a quem os milagres em geral me faziam sempre medo, fiquei aterrorizada com este em particular, ganhando-lhe a partir de então um ódio que tenho estimado vida fora...